sábado, 18 de fevereiro de 2012

Estudo I sobre tempo e espaço; 11/02/12

Em gesso molduras, em mim vestígios,
Num tear obscuro emoldurado
Passam fotografias nuas
Que mudas riem do passado


Que sofro eu! na pétrea sala, aflita,
Quando à varanda tudo em instante migra
E à parede, jovens parentes
Mortos riem do presente


Minha vida ao futuro devo
E um desenlace do viver espero
Sorrir à isso, quer maior perjúrio?

Mas se ao conforto um instante cedo
Deixo às fotografias, por seu tempo estéril
O direito de zombar do futuro.

Um comentário:

  1. "E à parede, jovens parentes
    Mortos riem do presente"

    Colhi.

    ResponderExcluir